segunda-feira, 9 de julho de 2012

As mina chata e as legal

Quem sabe o mínimo sobre meu gosto pessoal já reparou que não sou chegada em cantoras ou bandas com vocais femininos. Não é birra, ciúme nem inveja, mas é que mulher cantando nunca fez meu estilo. Claro, abro exceções para divas do jazz (especialmente Ella Fitzgerald, de quem conheço mais músicas) e, vez ou outra, descubro alguma cantora nova talentosa que consegue não ser apelativa nem chata.
Começando pelas chatas, mas talentosas: Amy Winehouse e Adele. A primeiro, reconheço que canta bem em algumas músicas, mas essas não me agradam e ela só permanece na minha memória pelo penteado, estilo de vestir, pela morte prematura e tudo aquilo que a causou. Adele, por outro lado, tem uma boa voz, toca piano e tal, mas as músicas são insuportáveis.
Lana Del Rey é daquelas que só chamam a atenção pelo cuidado com a imagem: garota de passado misterioso que parece ter saído, sei lá, da década de 1970. O excesso de colágeno nos lábios não ajuda e ela é outra chata. Katy Perry dispensa comentários: nem o chato do ex-marido Russel Brand aguentou. A sorte é que as covers que fazem das músicas dela é a única forma de eu ouvir algo que leva seu nome.
Beyoncé só grita e rebola, balançando aquela peruca alisada na cabeça. Rihanna é uma sub-Beyoncé. Abstenho-me de comentar Lady Gaga, Britney Spears e genéricas, pois nem as considero cantoras. 
Daí temos as "garotas" de atitude que me fazem bocejar. Shirley Manson ainda canta bem, mas o Garbage é um grupo zumbi. As chatonas do Yeah Yeah Yeahs e Cansei de Ser Sexy vez ou outra estão em um projeto legalzinho, mas as bandas delas são horríveis. Birdy me dá sono. E tem aquelas que ouvi uma vez e fiz questão de não lembrar os nomes.

Dentre as mina legal, não ouvi nenhuma delas tantas vezes assim, mas digamos que achei dignas de escutar novamente. Exemplo? Duffy, que pode não ser grande coisa, mas tem boas músicas e canta bem. Sara Bareilles ganha crédito por se colega do Ben Folds e também tocar piano, além de consertar uma música da Beyoncé
Lissie também chamou minha atenção por consertar outra música: Bad Romance, da Lady Gaga. Mas as músicas próprias da moça são ótimas também, além de ela tocar guitarra. A australiana Lenka encarna uma persona fofa e tem voz delicada, num estilo pop indie que me agradou bastante ao ouvir seu álbum do início ao fim. Markéta Irglová é minha queridinha desde que vi o show do The Swell Season em 2010.
Aos poucos estou dando "abertura" a vocais femininos na minha biblioteca musical. Afinal, por mais tesão que eu sinta ao ouvir o Dan Auerbach cantando (e Josh Ritter, Ezra Koenig, Noel Gallagher, Bruce Springsteen, Miles Kane...), sinto-me com o dever de conhecer melhor cantoras que estão fazendo carreira por cantar, e não por pose ou trajes mínimos.

Lissie: Mina legal!

4 comentários:

Alexandre disse...

Ignorou a Lily Allen, humm.

Garota no hall disse...

Bem, a Lily tá sumida. E ela é meio termo pra mim, não está entre as chatas nem as legais.

Gabriel disse...

"Beyoncé só grita e rebola, balançando aquela peruca alisada na cabeça. Rihanna é uma sub-Beyoncé. Abstenho-me de comentar Lady Gaga, Britney Spears e genéricas, pois nem as considero cantoras.


Quem lê isso duvida muito que seja a Lucie escrevendo.
Sem falar nos "mina".

Revolta?

Meio assustador.

Beeeem assustador.

Garota no hall disse...

Não é revolta, afinal gosto das "mina legal" :-P

Depois lembrei de mais que eu gosto e outras que detesto, mas fica para outra vez.